Palavra do Presidente

O desafio das cidades

O ano de 2016 foi marcado por fatos e eventos que modificaram, de forma indelével, o futuro de nossas cidades. A realização da III UNHabitat – Conferência da ONU sobre Habitação e Desenvolvimento Sustentável, em Quito, no Equador, debateu e expôs a todos os países, a necessidade imperiosa da adoção de uma Nova Agenda Urbana para nossas cidades pois, sem a mudança de paradigmas, bem como a adoção de novas práticas cotidianas, nosso futuro estará irreversivelmente comprometido.

Há em marcha, um grande debate mundial sobre a fundamental importância do resgate do planejamento urbano para impulsionar uma mudança de rumo e no futuro das nossas cidades. Um amplo e crescente movimento social defende que as cidades devem ser pensadas e construídas para as pessoas, e essa é uma luta onde arquitetos e urbanistas estão fortemente engajados de forma protagonista para que esse desejo se torne realidade.

Sabemos que não é simples mudar conceitos e práticas. Mudar as pessoas também não. De qualquer forma, algo precisa ser feito. Neste sentido, o trabalho dos arquitetos e urbanistas ganha importância e precisa que cada vez mais, o poder público reconheça que somente uma grande inversão de prioridades será capaz demudar o rumo determinístico e o futuro das cidades.

A cidade é por si só, um artefato social multifacetado. É através de seus espaços públicos que ela possibilita o encontro entre pessoas diferentes. É ela que expressa a desigualdade socioespacial produzindo e consumindo espaços segregados e gentrificados. Reduzir o abismo entre ricos e pobres, reduzir o tempo de deslocamento das pessoas entre casa e trabalho adequando soluções de mobilidade ao território urbano, produzir habitação de qualidade pensada no contexto de um projeto para à cidade e praticar uma gestão de governança realmente participativa são alguns dos pontos da Nova Agenda Urbana para o século XXI onde promover uma Arquitetura e Urbanismo para todos e com a participação de todos deve ser o nosso desafio.

Joinville, 29 de dezembro de 2016.

LUIZ ALBERTO SOUZA